Contato

Herpes e a Gravidez

ATENÇÃO!
  • Se você é ou pretende ser mamãe ou papai, leia todas as perguntas e respostas.
  • Um médico deverá ser consultado sobre todos os detalhes desta doença. Mesmo os já descritos abaixo.
  • Opiniões médicas sobre como tratar a doença podem variar. Se achar necessário, consulte mais de um médico.
  • Sempre siga as indicações dos médicos e das bulas.
  • Não tente se automedicar.


O herpes simplex causa esterilidade? Ele faz alguma diferença na tentativa de engravidar?

Não. Ter herpes não fará nenhuma diferença na hora de engravidar – exceto que você deve evitar fazer sexo em alguns momentos.
  • Homens: Se você tem herpes genital e está preocupado em infectar sua parceira ao tentar engravidá-la, ela pode fazer um exame de sangue para descobrir se já tem os anticorpos do herpes simplex. Se ela tiver, você não precisa se preocupar. Como 7 entre 10 pessoas têm o vírus e apenas 1 entre 5 tiveram sintomas reconhecidos, existe uma boa chance de que o exame de sangue venha para lhe assegurar tranquilidade.
  • Mulheres: Se você tem herpes genital e está preocupada em infectar seu parceiro enquanto tenta engravidar, ele pode fazer um exame de sangue (conforme descrito no parágrafo acima) ou você pode tomar aciclovir todos os dias para evitar uma crise (tratamento supressivo). Hoje já está comprovado que esta substancia não causa riscos ao feto.

Como o herpes simplex poderá afetar a gravidez e o parto?

Se você adquiriu herpes simplex antes de engravidar, poderá fazer o parto normalmente. Isto se dá porque durante os últimos meses de gravidez os bebês desenvolvem dentro do útero anticorpos para todas as infecções que suas mães tiveram previamente (e para as quais já possuem anticorpos). Isto protegerá o bebê destas viroses durante o parto e de 3 a 6 meses após o parto – a duração é mais longa quando o bebê é amamentado com leite materno, pois ele possui anticorpos.

Durante a gravidez, herpes simplex normalmente causa preocupação apenas nos seguintes casos:

Se a mãe for contaminada (pela primeira vez) durante o período inicial da gravidez. - Como outras infecções, isto pode levar ao aborto;
Se a mãe tiver os sintomas pela primeira vez durante os últimos meses de gravidez. - Assim ela não teria tempo para desenvolver os anticorpos antes do parto;
Se o bebê nascer antes de 32 semanas (muito prematuro) - Estes bebês ainda não têm todos os anticorpos e poderão ser contaminados durante o parto se a mãe estiver passando por uma crise. Obs: Nos segundo e terceiro casos existe o perigo de o bebê contrair o vírus, então normalmente o parto será realizado através de uma cesariana.

Como o herpes simplex pode infectar um bebê?

Se uma mulher com herpes genital tiver o vírus presente no canal vaginal durante o parto, o herpes simplex poderá contaminar o bebê, causando herpes neonatal.Herpes também pode infectar o bebê durante as primeiras semanas de vida, se ele for beijado por alguém com herpes oral ativa no momento. Em casos caros, o herpes pode ser transmitido pelo toque, se alguém tocar uma úlcera (ferida) e logo em seguida tocar o bebê.

No entanto, existem precauções que podem ser tomadas para diminuir o risco da transmissão da mãe para o bebê.
    

Quantos bebês contraem herpes neonatal?

Menos de 0,1% dos bebês nascidos nos EUA todos os anos adquirem herpes neonatal. Enquanto que cerca de 25% a 30% das gestantes têm herpes genital. Isto significa que a maioria das mães com herpes genital dão a luz a bebês saudáveis.      

Quais bebês apresentam o maior risco?

Os bebês correm o maior risco de contrair herpes neonatal se a mãe adquirir herpes genital no fim da gravidez. Isto se dá porque uma mãe recém-infectada não possui os anticorpos contra o vírus, portanto o bebê não terá a proteção natural durante o nascimento. Em adição, uma nova infecção de herpes está frequentemente ativa, portanto existe uma grande possibilidade de que o vírus estará presente no canal vaginal durante o parto.        


E quanto às grávidas que têm histórico de herpes genital?

Mulheres que contraem herpes genital antes de engravidar têm um risco muito baixo de transmitir o vírus para seu bebê. Isto é porque seus sistemas imunes geram anticorpos que são temporariamente passados para o bebê através da placenta. Mesmo se o herpes estiver ativo no canal vaginal, os anticorpos poderão proteger o bebê. Em adição, se uma mãe sabe que tem herpes genital, seu médico poderá tomar medidas para proteger o bebê.           

Como o herpes pode prejudicar um bebê?

O herpes neonatal pode causar infecções devastadoras, resultando em danos no sistemas nervoso central, retardo mental, ou até morte. Medicamentos tomados com antecedência podem prevenir ou reduzir os estragos causados, mas mesmo com a medicação, esta infecção causa sérias consequências para a maioria dos bebês infectados.        

Mulheres com herpes genital

Se você está grávida e tem herpes genital, poderá ficar preocupada com o risco de transmitir esta doença ao seu bebê. Primeiro lembre-se de que os riscos são extremamente baixos – especialmente se você já tem herpes há muito tempo. Os seguintes passos podem ajudá-la a reduzir o risco ainda mais:

  • Fale com seu obstetra. Certifique-se de que ele saiba que você tem herpes genital.
  • Na hora do parto, seu médico deverá examiná-la com uma luz forte para detectar qualquer úlcera (ferida) ou sinais de uma recorrência. Diga a ele se você estiver sentindo qualquer dos sintomas.
  • Se você estiver com uma recorrência ativa na hora do parto, a forma mais segura para prevenir que o bebê entre em contato com o vírus pelo canal vaginal é a cesariana. Se você não estiver com uma recorrência, o parto vaginal ainda é a opção que apresenta menos riscos ao bebê.
  • Peça a seu médico para não romper as bolsas d´água que envolvem o bebê, a não ser que seja necessário. Estas bolsas d´água podem ajudar a proteger o bebê contra qualquer vírus no canal vaginal.
  • Peça a seu médico para não monitorar o coração do bebê através do monitor no escalpo (eletrodos) durante o parto, a não ser que seja necessário. Este instrumento faz pequenos furos no escalpo do bebê, que podem permitir que o vírus do herpes entre. Na maioria dos casos, um monitor externo pode ser utilizado em seu lugar.
  • Peça a seu médico para não utilizar o aparelho vácuo-extrator ou o fórceps para realizar o parto, a não ser que seja necessário. Estes instrumentos podem ferir o escalpo do bebê, permitindo a entrada do vírus.
  • Após o parto, observe o bebê atentamente por aproximadamente 3 semanas. Sintomas de herpes neonatal podem incluir febre, brotoeja, irritação, ou falta de apetite. Estes podem ser sintomas de várias doenças não muito graves, mas não espere para ver se seu bebê irá ficar melhor. Leve-o ao pediatra assim que possível e diga a ele que você tem herpes genital.
  • As chances estão fortemente a favor de que seu bebê nasça saudável. Portanto, tente ficar tranquila.

Mulheres sem herpes genital

O maior risco de contaminação do herpes neonatal é com bebês cujas mães contraem o vírus ao fim da gravidez. Esta é uma circunstância rara, porém pode acontecer, e pode causar doenças graves, e até risco de morte, ao bebê. A melhor forma de proteger seu bebê é conhecer os fatos sobre o vírus e como se proteger. O primeiro passo seria descobrir se você já carrega o vírus.

Que testes eu posso fazer para saber se tenho herpes genital?

Existem duas formas para descobrir: Através de coletas virais (se algum sintoma estiver presente) ou através de exames de sangue específicos. Converse com seu médico sobre o assunto. 

Como posso me certificar de que não contrairei herpes genital?

Se seu resultado for negativo para herpes genital, mas seu parceiro tiver herpes genital ou oral, você ainda pode ser infectada, a não ser que tome algumas medidas para prevenir a infecção. Os seguintes passos podem ajudá-la a se proteger da infecção durante a gravidez:
  • Se seu parceiro tem herpes genital, não faça sexo durante as recorrências do vírus. Entre as recorrências, use preservativos do início ao fim das relações sexuais, mesmo que seu parceiro não esteja com sintomas (o vírus pode estar presente mesmo sem sintomas aparentes). Preservativos femininos são mais eficazes, pois cobrem uma área maior, visto que nem sempre o herpes se manifesta no corpo peniano. Considere não ter relações sexuais durante o último trimestre (oral, vaginal e anal).
  • Não deixe que seu parceiro faça sexo oral em você se ele tiver herpes oral. Você poderá contrair herpes genital.
  • Se você não sabe se seu parceiro tem herpes genital, você pode pedir a ele que faça o exame.    

E se eu contrair herpes genital durante o último trimestre da gravidez?

Se você tiver sintomas genitais, ou acreditar que foi exposta ao vírus genital, converse com seu obstetra assim que possível. No entanto, lembre-se que herpes pode permanecer adormecido por vários anos antes de se manifestar. O que parece ser uma nova infecção, pode ser uma infecção antiga causando sintomas pela primeira vez. Converse com seu médico sobre a melhor forma de proteger seu bebê.

Quando uma mulher realmente contrai o vírus apenas no último trimestre, muitos médicos prescreverão drogas antivirais. Se na hora do parto existirem lesões ou sintomas da manifestação do vírus, o parto cesariano será a opção mais segura para prevenir o bebê de entrar em contato com vírus pelo canal vaginal. Na verdade, quando o vírus é contraído no último trimestre, a maioria dos médicos recomendará a cesariana mesmo que os sintomas ou lesões não estejam presentes.
         

Como eu posso proteger meu bebê após o nascimento?

Em raras ocasiões, bebês contraem herpes neonatal após o parto. Estas infecções são quase sempre causadas pelo beijo de um adulto com herpes oral ativa, normalmente uma úlcera. Para proteger seu bebê, não o beije durante uma recorrência de herpes oral, e peça às pessoas para fazerem o mesmo. Se você tiver úlceras, lave bem as mãos antes de tocar no bebê.           

Eu posso tomar aciclovir durante a gravidez?

Muitas mulheres se perguntam sobre se podem tomar o medicamento antiviral durante o último trimestre da gravidez para fazer a supressão do vírus. Não se sabe exatamente se é ou não aconselhável, mas alguns médicos utilizam aciclovir para tratar as gestantes neste período. Alguns estudos indicam que tomar aciclovir durante o último mês de gravidez podem prevenir recorrências, e, portanto, diminuir a necessidade do parto cesariano, mas alguns experts permanecem preocupados quanto á segurança do bebê quando exposto à medicação.

Até o momento, os fabricantes de aciclovir não recomendam seu uso durante a gravidez. Por outro lado, eles vêm acompanhando centenas de mulheres que desavisadamente tomaram a medicação durante a gravidez, e as evidências sugerem que o aciclovir não acarreta grandes riscos de defeitos de nascimento ou reações adversas no resultado da gravidez. Baseado nestas informações, o uso diário para o tratamento supressivo durante o último mês de gravidez vem se tornando cada vez mais comum
.      

Tenho herpes genital e minha parceira está grávida, e agora?

Se sua parceira está grávida, e ela não tem herpes genital, você pode ajudar e certificar de que o bebê continue a salvo da infecção. Descubra se você tem herpes genital. Lembre-se que 1 em 5 pessoas tem o vírus, as quais a maioria não apresenta sintomas. Se você descobrir que tem o vírus, siga as instruções abaixo para proteger sua parceira durante a gravidez:

  • Use preservativos do início ao fim sempre que tiverem relações sexuais, mesmo se você não apresentar sintomas. Herpes pode ser transmitido quando os sintomas não estão presentes (transmissão assintomática).
  • Se você tem recorrências, não tenham contato sexual até que ela chegue completamente ao fim – normalmente de 5 a 7 dias.
  • Converse com um dermatologista sobre o tratamento de supressão com antivirais. Este tratamento ajuda a reduzir de maneira significativa o risco de recorrências e de transmissão entre recorrências.
  • Considere a abstenção de sexo (oral, vaginal e anal) durante o último trimestre.
  • Se você tem herpes oral, evite fazer sexo oral em sua parceira para prevenir a transmissão do vírus. Herpes oral pode tornar-se herpes genital e representa cerca de 25% dos casos de herpes neonatal.        

REFERÊNCIAS:
  • American Social Health Associaton - http://www.ashastd.org
  • Centers for Desease Control and Prevention - http://www.cdc.gov
  • WebMD - http://www.webmd.com