L-Lisina

ATENÇÃO!
  • Um médico deverá ser consultado sobre todos os detalhes desta doença. Mesmo os já descritos abaixo.
  • Opiniões médicas sobre como tratar a doença podem variar. Se achar necessário, consulte mais de um médico.
  • Sempre siga as indicações dos médicos e das bulas.
  • Não tente se automedicar.

Visão Geral

  • L-Lisina é um aminoácido que pode ser encontrado tanto nos alimentos quanto em medicamentos.
  • L-Lisina é utilizada para prevenir e tratar de sintomas causados pelo vírus do herpes simplex tipo 1 e tipo 2. Ela é ingerida oralmente. 
  • L-Lisina também é utilizada para aprimorar o desempenho atlético. Ainda não existem estudos que comprovem sua eficácia para esta finalidade.

Como ela funciona?

Nove proteínas foram identificadas no vírus do herpes simplex. Em adição às proteínas contidas no receptáculo do vírus, ele ainda contém duas proteínas adicionais (VI e VII). A Proteína VII é uma proteína rica em arginina que se encontra no núcleo do vírus. Também se sabe que as proteínas sintetizadas pelas células infectadas pelo vírus do herpes simplex contém mais arginina e menos lisina, metionina, phenilanina, treonina, e isoleucina relativa à leucina do que proteínas sintetizadas por células não infectadas.

Estudos sobre tecidos coletados têm demonstrado um efeito benéfico na replicação do vírus quando a porcentagem dos aminoácidos arginina/lisina favorece a arginina. O oposto, preponderando lisina sobre arginina, supressa a replicação do vírus e inibe o capacidade de infecção do vírus.

Nos primeiros estudos, L-Lisina 390mg foi ingerida oralmente na primeira indicação da manifestação de herpes oral em oito pacientes, e herpes genital em dois pacientes, resultando em uma rápida resolução das lesões em todos os casos. Isto sugere que mais estudos devem ser realizados para coletar provas concretas de sua eficácia.

Uso e Eficácia

Estudos indicam que a L-Lisina ajuda a reduzir recorrências, severidade e tempo de recuperação das manifestações do vírus do herpes tipos 1 e 2. Sua eficácia aumenta se empregada em conjunto com Aciclovir.

Segurança

L-Lisina é provavelmente segura para a maioria das pessoas quando ingeridas oralmente as doses recomendadas por até um ano.

Efeitos colaterais

Pode causar dores estomacais e diarreia.

Precauções e Advertências

Gravidez e amamentação: Não existe informação suficiente sobre o uso deste aminoácido durante a gravidez e amamentação. Portanto, não deve ser ingerida neste período.

Doenças renais: Existem casos de doenças renais relacionadas com o uso da L-Lisina. Se você tem alguma condição renal, consulte um médico antes de tomá-la.

Interações

Suplementos de cálcio interagem com L-Lisina: L-Lisina pode aumenta a quantidade de cálcio absorvida pelo corpo. Tomar cálcio em conjunto com L-Lisina pode aumentar a quantidade de cálcio no corpo. Evite tomar grandes quantidades de cálcio e de lisina ao mesmo tempo.

Dosagem

As seguintes doses foram estudadas em pesquisas científicas:
  • Para tratamento de supressão: 500mg/dia.
  • Durante recorrências: de 1000 a 6000mg/dia

Alimentos ricos em Lisina e pobres em Arginina

Peixe, frango, carne, carneiro, leite, queijo, feijão, a maioria das frutas e vegetais (exceto ervilha), etc.

Alimentos ricos em Arginina e pobres em Lisina

Gelatina, chocolate, coco, aveia, farinha de trigo, amendoim, soja, gérmen de trigo, etc.



REFERÊNCIAS:

1 - http://www.herpes.com/Treatment.shtml
1.1. Kagan, C. Lysine Therapy for Herpes Simplex, The Lancet, 1:137 26 Jan 1974)
1.2. Griffith, R.S., A Multicentered Study of Lysine Therapy in Herpes simplex Infection", Dermatologica 156: 257-267 (1978)
1.3. Griffith, R.S., Success of L-Lysine Therapy in Frequently Recurrent Herpes simplex Infection, Dermatologica 175: 183-190 (1987)
1.4. Olshevsky, V., Becher, V. Virology, 1970, 40, 948.
1.5. Kaplan, A.S., Shimano, H., Ben-Porat, T. ibid. p.90.
2 - http://www.webmd.com/vitamins-supplements/ingredientmono-237-LYSINE.aspx?activeIngredientId=237&activeIngredientName=LYSINE&source=2